Balé "Giselle": conteúdo, fatos interessantes, vídeo, história

A. Adan Ballet "Giselle"

No coração da obra "Giselle", de Adolph Adan, está a antiga lenda eslava das vilas - as moças solteiras e mortas traídas por seus amantes. De agora em diante, eles são forçados a vingar-se, matando jovens à noite, atraindo-os para suas danças.

O desempenho em si é uma história fantástica ligeiramente modificada e suplementada, na trama da qual três libretistas trabalharam.

Resumo do balé Adana "Giselle" e um monte de fatos interessantes sobre este trabalho, leia na nossa página.

Atores

Descrição

Giselecamponesa
Albertcontar
Hansguarda florestal
Mirtajipe da rainha
Bertamãe giselle
Wilfriedescudeiro Albert
Bathildadama noiva de albert
O duquePai de Bathilde


Resumo

O enredo do balé "Giselle" mostra uma história mística e ao mesmo tempo mística sobre uma jovem e ingênua garota que ama de todo o coração e está confiante nos sentimentos de resposta de seu Albert escolhido. Mas seu admirador do silvicultor, abre a decepção de seu amante, como resultado do qual ela perde a cabeça e morre, incapaz de suportar a traição.

Agora Giselle não é uma simples camponesa, mas vingativa e cruel, como todos os jipes com quem se junta. A primeira pessoa que eles puniram foi o Forester, que veio ao túmulo de Giselle. O próximo a este lugar era o conde Albert, mas a alma da moça ainda o amava gentil e devotadamente, protegendo seu amante do jipe ​​vingativo, salvando-o da morte. Com o amanhecer, as sombras de todas as garotas e da própria Giselle desaparecem, deixando apenas um traço profundo na alma e na memória de Albert, como o eterno arrependimento por um amor perdido que é mais forte que a morte.

Duração do desempenho
Eu ajoAto II
55 min.55 min.

Foto:

Fatos interessantes

  • Uma performance tão popular, que foi estudada por muitos artistas, continua a manter muitas ambiguidades e omissões. O que os quatro relógios significam: por que Hans e Albert foram ao cemitério à noite, que ligava o príncipe e a mãe a Gisselle?
  • E o que você sabe sobre o compositor Adolf Adana, que escreveu o lendário balé? Ele era um homem alegre e diversificado, os pesquisadores adoram mencionar em suas obras que ele treinou seu sapo, que vive em sua mesa em um banco e desafiadoramente pulando para o acompanhamento.
  • Tendo visitado Petersburgo e tendo recebido um convite do imperador para o cargo de compositor da corte com um salário chique, A. Adan apressou-se em recusar, achando nosso país bárbaro, cheio de "tradições selvagens". E ele escreveu seu balé, que lhe rendeu reconhecimento mundial, em apenas dez dias de trabalho.
  • Na primeira produção de "Giselle" (1841), a dança e as expressões faciais tiveram participações quase iguais na performance. Para transmitir as emoções da pantomima, os dançarinos tinham que ter habilidades de atuação consideráveis. Posteriormente, a dança começou a dar um papel de liderança na divulgação do enredo.
  • O nome da peça e o nome do personagem principal vêm da palavra germânica "gisil", que significa "penhor", "penhor".
  • Imediatamente após a estreia do balé, o penteado com um corte central usado pela personagem principal tornou-se um verdadeiro sucesso entre os fashionistas parisienses.
  • Vale ressaltar que a princípio o famoso coreógrafo Jules Perrot trabalhou com a cantora Giselle (sua esposa) furtivamente, mas aos poucos ele começou a ser atraído cada vez mais para trabalhar na peça. Como resultado, todo o partido principal foi totalmente desenvolvido por ele sozinho.
  • Após o sucesso ensurdecedor do balé durante a estréia, a taxa de Carlotta Grizi, o intérprete da parte principal, foi imediatamente aumentada.
Загрузка...

  • Na estréia do balé Giselle, o nome de Jules Perrot não foi indicado no pôster, e apenas algumas pessoas associadas à criação do balé estavam cientes de seu enorme papel na coreografia.
  • Um dos autores do libreto, Theophile Gautier, foi relacionado ao primeiro cantor da festa de Giselle, Carlotta Grisi. Ele era casado com sua irmã mais velha, Ernest.
  • Vale ressaltar que no início do século 20, a arte balé ocidental quase caiu em decadência e Giselle foi preservada apenas graças ao palco russo. Foi a versão de M. Petipa, que ela realizou com sucesso em 1910 durante as "Estações da Rússia no Exterior", que foi capaz de renovar seu interesse pelo balé em sua terra natal.
  • O fato de que a transformação da música de Giselle pertence a Minkus é mencionado em poucos lugares. Além disso, o compositor Pugni é o autor da variação feminina, no enredo Pas de deux.

História da criação

Em 1840, Adolf Adan chegou em Paris de sua viagem a São Petersburgo. Na Rússia, ele foi para uma dançarina Maria Taloni. Especialmente para ela, o compositor escreveu o ballet "The Sea Robber", e em Paris ele começou uma nova peça "Giselle".

É baseado em uma antiga lenda do jipe, que Heinrich Heine recriou em seu livro On Germany. Sabe-se que o principal autor do libreto é o poeta francês Theophile Gautier. Ele também é chamado de crítico da escola romântica. Além de sua paixão pela literatura, sua segunda paixão foi viajar pelo mundo. Ele até visitou a Rússia, após o qual ele escreveu "Journey to Russia" e "Treasures of Russian Art". Além disso, seu estilo romântico encontrou aplicação em cenários de balé maravilhosos. Pesquisadores de seu trabalho notam que cenas baseadas em seus trabalhos eram especialmente populares na Rússia.

Enquanto trabalhava no balé Giselle, Gauthier propôs mudar a lenda, transferindo as ações para outro país, trocando títulos, nomes e costumes. Assim, toda a ação agora ocorre na Turíngia, e o personagem principal, Albert, tornou-se o Duque da Silésia (mais tarde, o Conde). O pai de Batilde tornou-se agora um príncipe (mais tarde no duque da Curlândia). Além de Gauthier, o libretista Jules-Henri Vernoy de Saint-Georges e Jean Coralli (coreógrafo) também trabalharam na performance. Vale ressaltar que os libretistas elaboraram o enredo mais apropriado em apenas três dias. Além disso, o balé deve estar envolvido ativamente Jules Joseph Perrot - o dançarino mais talentoso. Há uma versão que ele conheceu na Itália com Carlotta Grisi, a futura estrela de balé. Foi por ela que mais tarde inventou a festa de Giselle.

Produções

A estréia da performance foi realizada com sucesso em junho de 1841 na Royal Academy of Music. Gisselle foi interpretada por Carlotta Grizi e Lucien Petipa fez o papel de Albert. Jean Coralli também participou desta produção, fazendo o papel de Hilarion.

A paisagem foi magistralmente decorada por Pierre Luc-Charles Siseri. O público muito entusiasticamente conheceu o jogo. Críticos teatrais elogiaram incansavelmente o compositor, diretores, artistas e libretistas em suas resenhas. Em favor do sucesso inquestionável da peça fala o fato de que por mais um mês inteiro apenas Giselle foi encenada no palco da Ópera de Paris. Então, em apenas um ano, houve 26 apresentações. A primeira edição existiu no palco por 18 anos, e durante esse tempo o balé foi realizado 150 vezes.

A produção seguinte aconteceu na Grã-Bretanha, onde Carlotta Grizi foi atrás do marido, Jules Perrot. E nesta versão, eles já se apresentaram juntos e no pôster, seu nome foi indicado como diretor da performance. Depois disso, o ballet foi repetidamente encenado com grande sucesso em várias etapas do mundo: Áustria, Itália, Dinamarca e, claro, a Rússia.

Загрузка...

Pela primeira vez, o público russo apreciou esta obra-prima em dezembro de 1842, no palco do Teatro Bolshoi Kamenny, sob a direção de Antoine Tityus. Já em 1943, P. Didier realizou essa produção no Teatro Bolshoi de Moscou. Outra maravilhosa edição de balé foi executada por Marius Petipa no Teatro Mariinsky. Depois disso, muitos outros coreógrafos se voltaram para esse balé e se apresentaram com sucesso em vários teatros. Curiosamente, nos tempos soviéticos, os coreógrafos foram convidados a mudar o enredo. O ideólogo não gostou do fato de que a garota comum estava inflamada de sentimentos em relação ao aristocrata e exigiu que o silvicultor Hans estivesse em seu lugar. E algumas figuras até exigiram que o balé fosse excluído do repertório, já que não é um balé soviético e não promove coisas totalmente éticas. No entanto, apesar de tudo isso, o desempenho permaneceu no palco.

Entre as produções originais está o trabalho de Mats Ek em 1982, onde Ana Laguna apareceu como Giselle. Nesta versão, toda a segunda ação é transferida para um hospital psiquiátrico. Este coreógrafo sueco tem sido famoso por performances precisamente incomuns de cenas clássicas. É o suficiente para lembrar que no "Lago dos Cisnes" ele mal passa por pássaros carecas, e Aurora de "Bela Adormecida" e completamente adormece devido ao abuso de drogas proibidas. Em Giselle, o primeiro ato praticamente não parte da versão original, só o personagem principal não morre, mas começa a brigar, e os habitantes tentam acalmá-la, pressionando os garfos afiados no chão. Depois ela está em um hospital psiquiátrico. Acontece que esta Giselle não salva seu amado de maneira alguma do jipe, mas dos psicopatas furiosos.

Vale ressaltar que esse desempenho foi filmado no mesmo ano. Além desta versão, há vários outros filmes. Assim, em 1969, o balé foi filmado pelo diretor americano Hugo Nibling e David Blair tornou-se o mestre de balé. O longa-metragem de Emil Lothian, Anna Pavlova, estrelado por Galina Belyaev, foi rodado em 1983. Além disso, uma história tão interessante atraiu e diretor Gerbetta Ross, que criou o filme "The Dancers", em 1987; Alexey Teacher, que é o autor da pintura "Mania Giselle", filmado em 1996. Esta versão fala sobre a vida da grande dançarina Olga Spesivtseva. No filme há um pequeno trecho do primeiro ato, onde a cena da loucura de Giselle é mostrada. Além disso, esta imagem é interessante porque tem fotos únicas datadas de 1932 de Giselle com Olga Spesyvtseva e Anton Dolin nos papéis principais.

Em outubro de 2015, o público em Israel pôde apreciar a brilhante ideia do coreógrafo Mikhail Lavrovsky. Em seu "Giselle" tudo o que acontece no palco foi realizado de acordo com o padrão clássico, mas o cenário em si foi em 3D, o que levou todo o auditório a se deliciar. O design especial dos cinco ecrãs permitiu alterar o espaço, revelar uma história incrível no palco e realçar o seu fantástico.

Talvez, um projeto completamente original de Maria Sokolova possa ser atribuído a produções completamente incomuns. Sua essência é que todos que estão familiarizados com os fundamentos da coreografia de balé podem participar da encenação de uma performance clássica. No final de 2016, o balé "Giselle" será exibido no palco do Teatro de Moscou.

Este balé é único em seu gênero. No centro da performance está a história de uma grande e incrivelmente bela alma de uma camponesa, que se opõe a uma aristocracia egoísta. Só mais tarde a idéia principal muda e a vingança vem à tona. Ao mesmo tempo, o texto musical de um balé não pode ser chamado simplesmente de um acompanhamento para dançar. Destaca-se por sua espiritualidade e caráter. Todas as imagens dos personagens e seu mundo interior receberam uma incorporação muito sutil na dança romântica do balé. Além disso, o conteúdo incomumente rico da peça, uma ótima idéia e imagens vívidas permitiram que ele se tornasse um dos mais famosos e favoritos balés por mais de cento e setenta anos. Nós oferecemos-lhe agora para apreciá-lo e ver "Giselle" em um ambiente magnífico e excelente qualidade.

Temos o prazer de oferecer bailarinos e uma orquestra sinfônica para a realização de números e trechos do balé "Giselle" em seu evento.

Загрузка...

Deixe O Seu Comentário