Educação musical: através das páginas da história

Educação musical: através das páginas da história

Ao longo da vida de uma pessoa, a música é tocada. Começando com uma simples canção de ninar da mãe, que ouvimos nos primeiros dias da nossa vida, terminando com a música em concertos, televisão, rádio ... Esta lista é interminável. Hoje, a música desempenha um papel significativo na criação de filhos. É ela que, como nenhuma outra arte, é capaz de dar a uma criança uma compreensão de beleza, sofisticação, para desenvolver sua sensualidade e habilidades criativas. Sempre foi assim? Para responder a essa pergunta, vamos voltar aos séculos e nos voltar para as três eras mais distantes da cultura mundial.

Música e educação na antiguidade

Desde tempos imemoriais, atenção especial foi dada às questões da educação musical e estética. Um papel excepcional nesta área pertence à Grécia antiga. Foi lá que a música foi considerada o meio mais importante de educação pública e, portanto, foi atribuído quase um papel fundamental no desenvolvimento de um verdadeiro cidadão do Estado. Os gregos antigos consideravam necessário dar a cada criança uma educação intelectual, física e musical. O sistema educacional deste país implicava a escolaridade obrigatória para os meninos, a partir dos sete anos de idade, em uma escola “kypharista” especial, onde estudavam canto e dominavam tocando vários instrumentos musicais. Mas o desenvolvimento musical de meninas menos atenção: em regra, realizou-se nas paredes da sua casa e às vezes limitou-se a cantar.

É curioso que os antigos gregos considerassem pessoas que não podiam cantar em um coral, sem instrução. A importância desta habilidade foi explicada por seu significado quase estatal: cantar no coro era considerado um dever sagrado. Todos os residentes do país com até 30 anos de idade eram obrigados a aprender habilidades vocais e tocar instrumentos musicais.

A pedagogia da época considerava a música como a principal "alavanca" de influência sobre o comportamento moral de uma pessoa. Por exemplo, Platão via a arte musical como o principal sistema educacional do estado. É por isso que ele propôs compartilhar música de forma aceitável para a educação da geração mais jovem e, consequentemente, inaceitável.

Educação musical na Idade Média

A Idade Média ofereceu sua opinião sobre a música, que foi, a partir de então, determinada pelos princípios do cristianismo. Na hierarquia dos valores espirituais e estéticos, ela se mudou para o último lugar e começou a desempenhar o papel de uma ferramenta auxiliar para a assimilação das verdades religiosas. Neste momento, a música foi considerada como uma das áreas do conhecimento matemático, juntamente com aritmética e geometria.

O período do século V ao X é chamado de "idade das trevas". E tudo porque o colapso da antiguidade provocou um declínio acentuado na cultura e inibição no desenvolvimento da educação. No entanto, isso não afetou a educação musical, pelo contrário, durante este período, deu um grande passo em seu desenvolvimento. Isso se deve ao fato de o estudo da música ter sido incluído na lista de disciplinas necessárias para a educação teológica. Sob os bispos, foram formados departamentos, que mais tarde se tornaram a base para universidades e centros para o estudo da música.

Entre as formas de educação musical, naturalmente, o canto prevaleceu. Eles ensinaram essa habilidade em igrejas e mosteiros. Nas escolas, só os rapazes podiam aprender, que por todos os meios tinham que dominar a leitura de orações em latim e canto de igreja, em segundo lugar estavam as habilidades de escrita. A maioria das crianças daquela época não recebia educação nas escolas, mas era criada pelos pais no trabalho doméstico. As únicas exceções eram as filhas dos senhores feudais, que estudavam tanto em conventos de freiras quanto em casa.

Aprendendo música no renascimento

A pedagogia musical do Renascimento procurou educar uma nova pessoa, um músico de um tipo diferente, atendendo a todas as exigências de seu tempo: ser obstinada e perfeita espiritual e fisicamente. Desde tenra idade, as crianças aprenderam canto coral, tocando vários instrumentos musicais, teoria musical e habilidades de composição. O músico da época tinha que ser universal em seu campo e, se necessário, mudar de um tipo de atividade para outro. A principal inovação da época foi a formação conjunta de meninos e meninas.

Figuras importantes da época atribuíam grande importância à música, considerando-a mais alta que outras artes e ciências. Isso contribuiu para a ampla disseminação das instituições de ensino: escolas de habilidade musical e academias. Eles apareceram principalmente nas grandes cidades. A música procurou disponibilizar publicamente através dela para exigir o bem e a justiça.

O significado da Renascença no desenvolvimento da educação musical é difícil de superestimar. Ao contrário da Idade Média, que se apoiava na pedagogia da firmeza das tradições e da autoridade eclesiástica, o Renascimento abriu novos caminhos para o seu desenvolvimento, voltando seu olhar para a criança, suas habilidades e capacidades. E ainda há vários séculos da Nova Era, várias centenas de anos de novas descobertas, conquistas e florescimento do pensamento humano, em que a música e suas funções educacionais não são as menos importantes.

Загрузка...

Deixe O Seu Comentário